Poesia

Represado na escuridão

Como água represada
é o meu amor por ti.
Represado em mim,
calado em meu peito,
com um grito certo para dar.
Ele abafa, ele cala o teu nome.
Ele cala o que sente.
Ele cala o que deseja.

Passeio pelo escuro de mim mesmo
e o único fio de luz que encontro
é onde mora o que sinto por você.
Em meio a tanta escuridão,
a única luz a me iluminar,
a única luz a me chamar, é você.

Mas você,
você está distante,
você está longe,
você me diz não.
E com o seu não,
fico eu aqui
represado na escuridão.

Anúncios
Poesia

Navegar

Foi como um sonho, uma viagem dentro em mim.
Caminhei pelos meus sentimentos e encontrei-te ali.
Surgiste como um fio d’água,
conheci-te como um riacho,
mergulhei em ti como num rio
e, quando meu coração se abriu para você,
fui represado.

Como quero desaguar nesse mar de amor,
que vejo em teus olhos, mas que hoje se represa.
Como quero desaguar nesse mar de amor
e navegar ao teu lado para sempre.

Conto

Um ato único à dois

Os olhos inchados denunciavam: chorara por muito tempo. Era pouco mais de onze e meia da noite de uma sexta-feira quando entrara em casa e sentou-se ao lado do pai, que no sofá assistia pela enésima vez Sociedade dos poetas mortos.

Esse DVD ainda não furou, pai?

Disse tentando disfarçar a voz embargada

Pois é filha, essa história não para de me fascinar.

Seu jeito reservado nunca o fez perguntar diretamente para a filha o que acontecia, apenas a deixava a vontade para falar.

E você, filha, o que te fascina?

Histórias de amor…

Foi o suficiente para encostar a cabeça no ombro do pai e voltar a chorar. O pai a abraçou e acolheu sua filha. Respirou fundo. Sempre que a filha passava por situações difíceis, lembrava-se da esposa, que saíra de casa para trabalhar numa manhã e nunca mais voltou. Seu corpo nunca foi encontrado. Ninguém sabe dela. Esse vazio consumia-o, ao mesmo tempo em que tinha que encontrar forças para educar a filha.

Após alguns minutos de choro, ela se recompõe. O pai, que já havia desligado a TV, levantou-se e acendeu a luz. Olharam-se calados, e no silêncio já sabia o que havia acontecido. O namoro com Mauricio terminara e não foi ela que terminou.

Ele tem outra pai… tanto amor, tanta dedicação para isso…

O pai apenas a ouviu e deixou que chorasse. Não há nada a ser dito nessa hora, não agora, apenas ouviu a filha chorar e sentir no coração a dor de uma traição, de um fim de relacionamento. Lentamente, após horas de lágrimas e lamentos, ele a conduziu para o quarto, beijou sua testa e pediu à filha que descansasse, conversaria com ela pela manhã.

O sábado amanheceu preguiçoso como devem ser os sábados: uma pequena chuva a convidava para ficar mais um pouco na cama, mas o cheiro do pão assando na cozinha a convidava a se levantar. De pijama, foi até a cozinha e parou na porta olhando para seu pai. Quase cinquenta anos, cabelos ralos e brancos, via nele uma fortaleza.

Você está aí filha? Fiz um pão de mandioca, receita de sua bisavó, lembra? Fiz pela última vez no meu aniversário ano passado.

Claro pai, adoro quando você faz pão!

Deliciaram-se com um pão inteiro, acompanhado de café fresco. Após alguns instantes de trivialidades sobre a vida, ela resolve falar um pouco mais sério.

Pai, como soube que minha mãe era o amor de sua vida?

Nunca soube, filha. Até hoje não sei. Ela saiu e nunca mais voltou, mas nunca soube, pois amar sempre foi dúvida, nunca foi certeza.

Mas isso não é angustiante demais?

Para mim não, para mim era a missão diária de conquistar sua mãe. Pelo visto falhei…

Fez-se um silêncio enquanto se entreolhavam e a filha pôde ver dos olhos do pai, fechados, correrem lágrimas.

Mas, mesmo que tenha falhado com sua mãe, e por isso ela nunca mais voltou, ainda creio que com você eu tenho acertado, pelo menos tento…

Você é a melhor mãe e o melhor pai do mundo, pai.

Voltaram a se olhar e disputaram, no riso, o último pedaço de pão.

Pai, como vou saber que encontrei a pessoa certa para minha vida? Se amar é dúvida, como saberei?

Filha, não tente saber, amor não se sabe, amor se vive. Por isso não admito, mesmo que seja possível, conjugar amor no plural, pois para mim amar é ato único de múltiplos seres, é estar unido, mesmo que distante.

Por um momento, filha e pai se reconheceram naquela manhã preguiçosa de sábado como duas pessoas sós. Ela, não sabia onde estaria e quando viveria esse amor de que seu pai falava. Ele, sabia bem quem ele amava e o quanto esperava que ela o procurasse. Mesmo que naquele dia ele não soubesse dela, ele a esperava, pois a espera o fazia crer no milagre de um amor único, sentido e vivido por duas pessoas que não sabiam mais uma da outra.